PROGRAMA CURRICULAR INTERDEPARTAMENTAL XIII

por

Vilma de Carvalho e Colaboradores

1.

Coordenar, junto com os professores, o trabalho dos estudantes Juniores:

 

1.1.

Aprazar reuniões com Estudantes Juniores para esclarecimento acerca das atividades desenvolvidas.

 

1.2.

Elaborar atividades teóricas e/ou práticas e/ou teórico-práticas em conjunto com os professores e estudantes juniores.

 

1.3.

Dinamizar a leitura de quadro de avisos.

 

1.4.

Supervisionar as atividades do estudante júnior.

 

1.5.

Elaborar e discutir os critérios de avaliação de estudante júnior de acordo com o propósito de cada PCI.

     

2.

Estudar, propor e discutir com o professor do Programa Curricular Interdepartamental (PCI) uma escala de distribuição de trabalho entre os estudantes:

 

2.1.

Aprazar reunião com os professores e estudantes (seniores e juniores) de cada PCI a fim de saber a programação e fazer visita ao local de estágio.

 

2.2.

Enumerar os setores da instituição.


2.

Estudar, propor e discutir com o professor do Programa Curricular Interdepartamental (PCI) uma escala de distribuição de trabalho entre os estudantes:

 

2.3.

Elaborar escala de distribuição de trabalho entre os estudantes juniores de acordo com os seguintes critérios.

  • Número de estudantes distribuídos por setor;
  • Período de permanência em cada setor;
  • Demanda da clientela;
  • Espaço físico;
  • Necessidade de aprendizagem do júnior;
  • Complexidade do paciente.
 

2.4.

Elaborar o cronograma de atividades do seniorato correspondente ao PCI.

 

2.5.

Propor modificações no fluxograma de atendimento quando necessário para economia de tempo e energia.

     

3.

Conhecer os recursos utilizados no campo da prática:

 

3.1.

Identificar as necessidades da clientela;

 

3.2.

Verificar se já existe levantamento dos recursos da comunidade.

 

3.3.

Localizar e utilizar os instrumentos administrativos da Instituição.

 

3.4.

Verificar os recursos humanos disponíveis da Instituição.

     

4.

Organizar o ambiente de trabalho com os estudantes dos PCIs:

 

4.1.

Fazer o diagnóstico da situação antes da chegada do estudante júnior.

 

4.2.

Fazer previsão e provisão de material necessário.

 

4.3.

Proporcionar junto com o estudante júnior um ambiente terapêutico adequado ao desenvolvimento das atividades.


5.

Elaborar e/ou rever rotinas e procedimentos dos setores de atuação:

 

5.1.

Tomar conhecimento das rotinas do setor.

 

5.2.

Verificar se o trabalho executado está de acordo com as normas e rotinas do setor.

 

5.3.

Atualizar junto com os estudantes juniores as rotinas defasadas.

 

5.4.

Verificar necessidades de treinamento.

 

5.5.

Elaborar rotinas para o(s) setor(es) que não a(s) possue(m), adequando-a(s) às suas necessidades.

 

5.6.

Orientar os funcionários quanto à rotina criada.

     

6.

Contribuir na avaliação do desempenho dos estudantes juniores:

 

6.1.

Fornecer informações sobre o desempenho do estudante júnior, quando solicitado pelos professores.

 

6.2.

Acompanhar o desenvolvimento do estudante júnior através da supervisão direta e indireta.

 

6.3.

Fazer avaliações periódicas das necessidades de orientação clínica.

 

6.4.

Participar na avaliação do estudante júnior esclarecendo-o quanto aos critérios usados para sua avaliação pelo estudante sênior.

 

6.5.

Registrar observações nas fichas de avaliação dos estudantes juniores.

     

7.

Enfatizar a importância da assistência estar voltada para a satisfação das necessidades humanas básicas:

 

7.1.

Orientar o estudante júnior na observação dos aspectos bio-psico-sócio-espiritual do Ser humano.

 

7.2.

Orientar o estudante júnior da importância do apoio emocional na prevenção, manutenção e recuperação da saúde.


8.

Observar o desenvolvimento do trabalho dos estudantes juniores e orientar nas dificuldades apresentadas:

 

8.1.

Orientar os estudantes juniores sobre o trabalho a ser desenvolvido no setor.

 

8.2.

Detectar as dificuldades do estudante júnior quanto à assimilação de novos conhecimentos e procedimentos.

 

8.3.

Identificar situações de menor e maior complexidade e orientar nas dificuldades apresentadas.

 

8.4.

Observar conduta do estudante júnior frente às situações emergentes e situações rotineiras, auxiliando-o em seu desempenho quando necessário.

 

8.5.

Discutir com os estudantes juniores e os professores os problemas apresentados.

 

8.6.

Indicar bibliografias.

 

8.7.

Orientar os estudantes juniores em grupo ou individualmente acerca de suas dificuldades.

 

8.8.

Observar interação dos estudantes juniores com os pacientes e com funcionários e a resposta do paciente à assistência.

     

9.

Assistir supletivamente a clientela, naquelas atividades cujo grau de complexidade ultrapassa as possibilidades do estudante júnior.

 

9.1.

Fazer diagnóstico da situação.

 

9.2.

Avaliar a capacidade do estudante júnior em assumir a situação.

 

9.3.

Planejar juntamente com o estudante júnior o desenvolvimento dessas atividades.

 

9.4.

Auxiliar os estudantes juniores nas atividades em que o mesmo não tiver domínio e segurança.

 

9.5.

Demonstrar o procedimento em caso de maior complexidade, havendo solicitação de estudante júnior.


10.

Desenvolver ensino clínico e aula teórico-prática junto com o professor, para o estudante júnior:

 

10.1.

Identificar situações que necessitam de ensino clínico.

 

10.2.

Providenciar material (áudio-visual e bibliográfico) para facilitar o aprendizado e o estudante júnior.

 

10.3.

Discutir o plano de aula e aprazar o ensino com o professor do PCI.

 

10.4.

Discutir com o professor e estudante júnior métodos alternativos para sanar as deficiências na prática.

     

11.

Ajudar os estudantes juniores na identificação e resolução de problemas prioritários do serviço:

 

11.1.

Discutir com os estudantes juniores a hierarquização dos problemas.

 

11.2.

Estimular os estudantes juniores à observação, a fim de detectar os problemas de serviço.

 

11.3.

Estudar, elaborar e propor com os estudantes juniores e professores soluções a curto, médio e longo prazo.

 

11.4.

Selecionar atividades de treinamento que possam atender as deficiências apresentadas.

 

11.5.

Elaborar programa de treinamento que possam atender as deficiências apresentadas.

 

11.6.

Participar da execução e avaliação do programa de treinamento com o estudante júnior.


12.

Elaborar e submeter à apreciação dos professores dos PCIs XIII projetos especiais a nível administrativo, educacional e de pesquisa:

 

12.1.

Identificar problemas e solucionar um.

 

12.2.

Discutir com os professores a escolha do problema.

 

12.3.

Elaborar projeto a partir da identificação.

 

12.4.

Estudar a possibilidade e aplicação do projeto.

 

12.5.

Elaborar relatório de pesquisa.

UFRJ EEAN - Escola de Enfermagem Anna Nery
Desenvolvido por: TIC/UFRJ