Pesquisar

SR-1
CEG

FORMULÁRIO CEG-03
Disciplina

CENTRO: DE CIÊNCIAS DA SAÚDE
UNIDADE: ESCOLA DE ENFERMAGEM ANNA NERY

Folha n0:
Data: 04/03/1997

1 – NOME

2 – CÓDIGO

3 – IDENTIFICAÇÃO

FONTES PARA A HISTÓRIA DA ENFERMAGEM

ENWK02

 

4 – Carga Horária por Período:

5 – CRÉDITOS:

6 – REQUISITOS:

T: 15                    P: 00                         T + P: 15

1,0

 

7 – CARACTERÍSTICAS DAS AULAS PRÁTICAS:

Levar aos alunos frente ao controle e documentação histórica (CPDOC), manusear fontes primárias e secundárias da história de enfermagem.

8 – CURSOS PARA OS QUAIS É OFERECIDA:

ENFERMAGEM E OBSTETRÍCIA

9 – OBJETIVOS GERAIS DA DISCIPLINA:

Levar as(os) acadêmicas(os) a manusear e preservar os documentos que formaram a concepção da história de enfermagem.

10 – EMENTA:

Constará de atividades a serem desenvolvidas no Centro de Documentação e Pesquisa da EEAN/UFRJ. Sensibilizar o graduando para uma política de preservação documental. Fontes primárias e secundárias no estudo da história da enfermagem.

11 – BIBLIOGRAFIA:

BAPTISTA, Suely de Souza. A luta por um espaço na Universidade. O caso da Escola de Enfermagem Anna Nery. Tese (Doutorado) EEAN/UFRJ, 1995.
BARREIRA, Ieda de Alencar. A enfermagem Ana Néri no país do futuro: a aventura da luta contra a tuberculose. Tese (Doutorado) EEAN/UFRJ, 1993.
SAUTHIER, Jussara. A missão das enfermeiras norte-americanas na capital da república, Brasil (1921-1931). Tese (Doutorado) EEAN/UFRJ, 1997.

 

SR-1
CEG

FORMULÁRIO CEG-03
Disciplina

CENTRO: DE CIÊNCIAS DA SAÚDE
UNIDADE: ESCOLA DE ENFERMAGEM ANNA NERY

Folha n0:
Data: 04/03/1997

1 – NOME

2 – CÓDIGO

3 – IDENTIFICAÇÃO

ESTUDOS DE HISTÓRIA DA ENFERMAGEM

ENWK01

 

4 – Carga Horária por Período:

5 – CRÉDITOS:

6 – REQUISITOS:

T: 15                    P: 00                         T + P: 15

1,0

 

7 – CARACTERÍSTICAS DAS AULAS PRÁTICAS:

Expositivas, apresentação de produção científica, busca de fontes primárias.

8 – CURSOS PARA OS QUAIS É OFERECIDA:

ENFERMAGEM E OBSTETRÍCIA

9 – OBJETIVOS GERAIS DA DISCIPLINA:

Levar o estudante a conhecer a evolução histórica da enfermagem. Propiciar questionamentos sobre os aspectos passados interligando com os atuais.

10 – EMENTA:

O modelo Nightingale. A implantação da enfermagem moderna no Brasil, determinantes sociais, políticos e econômicos. Planejamento e implantação dos serviços de enfermagem nos hospitais modernos, com ênfase nas especialidades.

11 – BIBLIOGRAFIA:

 


SR-1
CEG

FORMULÁRIO CEG-03
Disciplina

CENTRO: DE CIÊNCIAS DA SAÚDE
UNIDADE: ESCOLA DE ENFERMAGEM ANNA NERY

Folha n0:
Data: 04/03/1997

1 – NOME

2 – CÓDIGO

3 – IDENTIFICAÇÃO

DEONTOLOGIA DA ENFERMAGEM

ENM472

 

4 – Carga Horária por Período:

5 – CRÉDITOS:

6 – REQUISITOS:

T: 15                    P: 00                         T + P: 15

1,0

ENM362 (P)

7 – CARACTERÍSTICAS DAS AULAS PRÁTICAS:

Aulas expositivas, estudo individualizado na biblioteca para os seminários e debates.

8 – CURSOS PARA OS QUAIS É OFERECIDA:

ENFERMAGEM E OBSTETRÍCIA

9 – OBJETIVOS GERAIS DA DISCIPLINA:

Adquirir segurança ética nas situações da vida profissional. Interpretar o código de Deontologia da Enfermagem.

10 – EMENTA:

Estudo crítico da formação de atitudes e valores éticos e a influência no ensino, na prática e na pesquisa de enfermagem. Situações de vida e de morte, atuação junto ao paciente terminal.

11 – BIBLIOGRAFIA:

COFEn/COREn. Código de Deontologia da Enfermagem. Rio de Janeiro, 1994.


SR-1
CEG

FORMULÁRIO CEG-03
Disciplina

CENTRO: DE CIÊNCIAS DA SAÚDE
UNIDADE: ESCOLA DE ENFERMAGEM ANNA NERY

Folha n0:
Data: 04/03/1997

1 – NOME

2 – CÓDIGO

3 – IDENTIFICAÇÃO

CUIDADOS DE ENFERMAGEM À CLIENTE HOSPITALIZADO II

ENW361

 

4 – Carga Horária por Período:

5 – CRÉDITOS:

6 – REQUISITOS:

T: 45                    P: 60                         T + P: 105

5,0

ENW351 (P)     ENW352 (P)       ENW362 (C)

7 – CARACTERÍSTICAS DAS AULAS PRÁTICAS:

Discussão no grupo sobre programa de trabalho e situação de média complexidade. Instrução sobre prioridades de enfermagem. Demonstração de técnicas e procedimentos. Instrução sobre atividades de enfermagem em isolamento em unidades especiais. Instrução sobre orientação à pacientes e famílias. Orientação de reforço sobre equipe de trabalho.

8 – CURSOS PARA OS QUAIS É OFERECIDA:

ENFERMAGEM E OBSTETRÍCIA

9 – OBJETIVOS GERAIS DA DISCIPLINA:

Adquirir conhecimentos fundamentais para competência quanto ao processo de enfermagem tangível às situações de média complexidade. Discutir o plano de cuidados de enfermagem com base nos aspectos bio-psico-sócio-espirituais ou prioridades das situações dos clientes. Ganhar experiências para ajudar a pessoas e famílias face à hospitalização e às condições agudas ou crônicas de saúde. Reconhecer o direito dos clientes, crianças, jovens e adultos, adequada assistência de enfermagem.

10 – EMENTA:

Situação de média complexidade – clientes hospitalizados e suas famílias. A criança e a hospitalização. Cuidados de enfermagem nas situações de isolamento. Orientação e ajuda a família face aos problemas ligados a prognósticos mais sérios. Os registros e a evolução do cliente. A história dos hospitais – a origem dos hospitais brasileiros e as especialidades.

11 – BIBLIOGRAFIA:

MANSON, M. A. Enfermagem Médico-Cirúrgica. Rio de Janeiro: Interamericana, 1976.
BRUNNER, L. S. & SUDDARTH, D. S. Tratado de Enfermagem Médico-Cirúrgica. 4a edição. Rio de Janeiro: Interamericana, 1982.
MOORHOUSE, Mary Trancos; DOENGES, Marilyn. Manual de Enfermagem Clínica. Rio de Janeiro: Revinter, 1994.
SEMELTER, Mario & MARCONI, Denise. Doenças Infecciosas: consulta diagnóstica e terapêutica. Rio de Janeiro: Koogan, 1994.
PERNETA, César. Terapêutica Pediátrica. Controle de Doenças Transmissíveis. OPA – OMS.
VERONESI e Colaboradores. Doenças transmissíveis.
KRON, Thora. Manual de Enfermagem. Ed. Interamericana, 4a edição.
SOUZA, E. F. S. Novo Manual de Enfermagem. 6a edição. Rio de Janeiro: Ed. Cultura Médica, 1987.

SR-1
CEG

FORMULÁRIO CEG-03
Disciplina

CENTRO: DE CIÊNCIAS DA SAÚDE
UNIDADE: ESCOLA DE ENFERMAGEM ANNA NERY

Folha n0:
Data: 04/03/1997

1 – NOME

2 – CÓDIGO

3 – IDENTIFICAÇÃO

ESTÁGIO SUPERVISIONADO DE ENFERMAGEM B

ENWU08

 

4 – Carga Horária por Período:

5 – CRÉDITOS:

6 – REQUISITOS:

T: 00                    P: 90                         T + P: 90

2,0

ENWU06 (P)      ENWU07 (P)       ENWU09 (C)

7 – CARACTERÍSTICAS DAS AULAS PRÁTICAS:

Demonstrações, técnicas e procedimentos adequados às situações de média complexidade. Demonstração de cuidados em isolamento ou unidades especiais. Instrução de reforço, administração de medicamentos e preparo de soluções medicamentosas. Instrução sobre instrumental, equipamento e registros para o controle de clientes hospitalizados.

8 – CURSOS PARA OS QUAIS É OFERECIDA:

ENFERMAGEM E OBSTETRÍCIA

9 – OBJETIVOS GERAIS DA DISCIPLINA:

Adquirir conhecimentos para prestar cuidados nas situações de média complexidade envolvendo clientes hospitalizados. Ganhar experiência para a ajuda às pessoas e famílias frente aos problemas relacionados com a hospitalização – unidades de isolamento e tratamento especiais ou não. Desenvolver habilidades para o atendimento de clientes – crianças, jovens, adultos com condições agudas ou crônicas. Estabelecer relacionamento interpessoal produtivo com clientes (crianças, jovens e adultos) e equipe de trabalho.

10 – EMENTA:

Programa de trabalho face às situações de média complexidade. Relacionamento interpessoal, plano de cuidados para crianças, jovens, adultos – prioridades. Sistemática de resolução de problemas. Tratamentos especiais. Assistência pós-alta. Orientação aos clientes. Avaliação de cuidado.

11 – BIBLIOGRAFIA:

MANSON, M. A. Enfermagem Médico-Cirúrgica. Rio de Janeiro: Interamericana, 1976.
BRUNNER, L. S. & SUDDARTH, D. S. Tratado de Enfermagem Médico-Cirúrgica. 4a edição. Rio de Janeiro: Interamericana, 1982.
MOORHOUSE, Mary Trancos; DOENGES, Marilyn. Manual de Enfermagem Clínica. Rio de Janeiro: Revinter, 1994.
SEMELTER, Mario & MARCONI, Denise. Doenças Infecciosas: consulta diagnóstica e terapêutica. Rio de Janeiro: Koogan, 1994.
PERNETA, César. Terapêutica Pediátrica. Controle de Doenças Transmissíveis. OPA – OMS.
VERONESI e Colaboradores. Doenças transmissíveis.
KRON, Thora. Manual de Enfermagem. Ed. Interamericana, 4a edição.
SOUZA, E. F. S. Novo Manual de Enfermagem. 6a edição. Rio de Janeiro: Ed. Cultura Médica, 1987


SR-1
CEG

FORMULÁRIO CEG-03
Disciplina

CENTRO: DE CIÊNCIAS DA SAÚDE
UNIDADE: ESCOLA DE ENFERMAGEM ANNA NERY

Folha n0:
Data: 04/03/1997

1 – NOME

2 – CÓDIGO

3 – IDENTIFICAÇÃO

DIAGNÓSTICO SIMPLIFICADO DE SAÚDE VIII

ENWX08

 

4 – Carga Horária por Período:

5 – CRÉDITOS:

6 – REQUISITOS:

Variável, mínimo de 30 horas

0,0

ENWX06 (P)      ENWX07 (P)      ENWX09 (C)

7 – CARACTERÍSTICAS DAS AULAS PRÁTICAS:

Discussão sobre dificuldades e problemas envolvendo o diagnóstico das situações de média complexidade. Orientação sobre dificuldades relacionadas com a metodologia científica e contribuições aos estudos e pesquisas. Instrução sobre pressupostos e formulação de hipóteses do trabalho científico.

8 – CURSOS PARA OS QUAIS É OFERECIDA:

ENFERMAGEM E OBSTETRÍCIA

9 – OBJETIVOS GERAIS DA DISCIPLINA:

Adquirir conhecimentos para aplicar a metodologia científica nos estudos ou pesquisas envolvendo situações de média complexidade. Desenvolver habilidades para a identificação e a análise de problemas ligados às condições de clientes agudos ou crônicos. Estabelecer pressupostos como base para a formulação de hipóteses do trabalho científico. Apresentar relatório com análise e sugestões para a melhoria dos cuidados de enfermagem.

10 – EMENTA:

Diagnóstico de saúde envolvendo situações de média complexidade. O paciente agudo ou crônico nos estudos ou investigações da área da saúde. Os pressupostos e as hipóteses de trabalho na perspectiva dos estudos e pesquisas de enfermagem.

11 – BIBLIOGRAFIA:

LAKATOS, Eva Maria & MARCONI, Marina Andrade. Fundamentos de Metodologia Científica. São Paulo: Atlas, 1985.
DEMO, Pedro. Introdução à Metodologia da Ciência. São Paulo: Atlas, 1987.
TRIVINOS, Augusto N. da Silva. Introdução à Pesquisa em Ciências Sociais: a pesquisa qualitativa em educação. São Paulo: Atlas, 1990.
ASTI, V. A. Metodologia da Pesquisa Científica. 7a edição. Porto Alegre: Ed. Globo, 1983.


SR-1
CEG

FORMULÁRIO CEG-03
Disciplina

CENTRO: DE CIÊNCIAS DA SAÚDE
UNIDADE: ESCOLA DE ENFERMAGEM ANNA NERY

Folha n0:
Data: 04/03/1997

1 – NOME

2 – CÓDIGO

3 – IDENTIFICAÇÃO

CUIDADOS DE ENFERMAGEM A CLIENTES HOSPITALIZADOS III

ENW362

 

4 – Carga Horária por Período:

5 – CRÉDITOS:

6 – REQUISITOS:

T: 45                    P: 60                         T + P: 105

5,0

ENW352 (P)     ENW351 (P)      ENW361 (C)

7 – CARACTERÍSTICAS DAS AULAS PRÁTICAS:

Instrução de reforço sobre programa de trabalho para clientes sob cuidados intensivos ou intermediários. Discussão em grupo sobre análise e diagnóstico de situações de maior complexidade. Demonstração de técnicas e procedimentos pertinentes ao cuidado do paciente crítico. Instrução sobre medidas de apoio à respiração e sobre cuidados na parada cardíaca.

8 – CURSOS PARA OS QUAIS É OFERECIDA:

ENFERMAGEM E OBSTETRÍCIA

9 – OBJETIVOS GERAIS DA DISCIPLINA:

Fazer diagnóstico de saúde dos clientes com base em conhecimentos aplicáveis às situações de maior complexidade. Ganhar experiência para as atividades junto a clientes sob cuidados intensivos ou intermediários. Desenvolver habilidades para ajudar clientes e famílias nas situações de vida e morte. Demonstrar atitude responsável frente aos fins e valores da Escola e da Universidade.

10 – EMENTA:

Situações de enfermagem de maior complexidade. Os clientes sob cuidados intensivos. Essencialidade de enfermagem para o paciente crítico. Solução de enfermagem. Cuidados intermediários. Situações vida-morte. Ajuda à família e orientação sobre problemas de reabilitação. A história dos hospitais, a origem dos hospitais brasileiros e especialidades.

11 – BIBLIOGRAFIA:

MOORHOUSE, Mary Francos; DOENGES, Marylin. Manual de Enfermagem Clínica. Rio de Janeiro: Revinter, 1994.
BRUNNER, L. S. & SUDDARTH, D. S. Tratado de Enfermagem Médico-Cirúrgica. 4a edição. Interamericana, 1982.
SOUZA, E. F. S. Novo Manual de Enfermagem. 6a edição. Rio de Janeiro: Ed. Cultura Médica, 1987.
KURGLANT, Paulina et alli. Administração em Enfermagem. São Paulo: EPU, 1991.
BELAND, Irene. Enfermagem Clínica. São Paulo: EPU, 1978.
GUIMARÃES, N. O. Morte. Um desafio de Enfermagem. anais do XXXI CBEn, ABEn, (127-136) Brasília, 1979.

SR-1
CEG

FORMULÁRIO CEG-03
Disciplina

CENTRO: DE CIÊNCIAS DA SAÚDE
UNIDADE: ESCOLA DE ENFERMAGEM ANNA NERY

Folha n0:
Data: 04/03/1997

1 – NOME

2 – CÓDIGO

3 – IDENTIFICAÇÃO

ESTÁGIO SUPERVISIONADO DE ENFERMAGEM C

ENWU09

 

4 – Carga Horária por Período:

5 – CRÉDITOS:

6 – REQUISITOS:

T: 00                    P: 90                         T + P: 90

2,0

ENWU06 (P)     ENWU07 (P)      ENWU08 (C)

7 – CARACTERÍSTICAS DAS AULAS PRÁTICAS:

Instrução sobre tipos de situações envolvendo o paciente crítico. Orientação de reforço sobre técnicas e procedimentos para o cuidado dos clientes. Demonstração sobre instrumental e equipamentos específicos. Instrução sobre atividades em Centro Cirúrgico e Unidades Especiais. Discussão em grupo sobre situações vida-morte.

8 – CURSOS PARA OS QUAIS É OFERECIDA:

ENFERMAGEM E OBSTETRÍCIA

9 – OBJETIVOS GERAIS DA DISCIPLINA:

Aplicar a metodologia científica na observação sistematizada dos clientes no controle das situações de maior complexidade. Identificar o direito da família de ser informada sobre a evolução do paciente crítico. Desenvolver habilidades para as tomadas de decisão relativas às intervenções de enfermagem e à ajuda aos pacientes e famílias. Ganhar experiência para as condutas indispensáveis as funções de enfermagem no contexto das equipes de trabalho.

10 – EMENTA:

Programa de trabalho face às situações de maior complexidade. Atividades nas unidades – cuidados intensivos e intermediários. Tratamentos especiais. O Centro Cirúrgico – implicações relativas a estágios. Manejo de instrumental de apoio ao cuidado ao cliente e de equipamentos específicos.

11 – BIBLIOGRAFIA:

MOORHOUSE, M. F. & DOENGES, M. Manual de Enfermagem Clínica. Rio de Janeiro: Ruinter, 1994.
BRUNNER, L. S. & SUDARTH, D. S. Tratado de Enfermagem Médico-Cirúrgica. 4a edição, Interamericana, 1982.
BELANS, F. Enfermagem Clínica. São Paulo: EPU, 1978.
GUIMARÃES, M. O. Um desafio de enfermagem. Anais do XXXI CBEn (127-136). Brasília, 1979.


SR-1
CEG

FORMULÁRIO CEG-03
Disciplina

CENTRO: DE CIÊNCIAS DA SAÚDE
UNIDADE: ESCOLA DE ENFERMAGEM ANNA NERY

Folha n0:
Data: 04/03/1997

1 – NOME

2 – CÓDIGO

3 – IDENTIFICAÇÃO

DIAGNÓSTICO SIMPLIFICADO DE SAÚDE IX

ENWX09

 

4 – Carga Horária por Período:

5 – CRÉDITOS:

6 – REQUISITOS:

Variável, mínimo de 30 horas

0,0

ENWX06 (P)     ENWX07 (P)      ENWX08 (C)

7 – CARACTERÍSTICAS DAS AULAS PRÁTICAS:

Discussão em grupo sobre situações de maior complexidade com base no diagnóstico de saúde da clientela assistida. Instrução de reforço para a identificação ou a classificação de problemas identificados. Orientação sobre aspectos significativos que interessam à diagnose de enfermagem. Instrução sobre a eficácia com medida do cuidado e como resultado dos estudos de enfermagem.

8 – CURSOS PARA OS QUAIS É OFERECIDA:

ENFERMAGEM E OBSTETRÍCIA

9 – OBJETIVOS GERAIS DA DISCIPLINA:

Adquirir conhecimentos para a identificação de problemas emergentes das situações práticas e relevante para os estudos de enfermagem. Desenvolver habilidades para a análise de situações de enfermagem de maior complexidade. Contribuir com estudos que demonstram a participação relevante do estudante de enfermagem no cuidado do paciente crítico.

10 – EMENTA:

Diagnóstico de saúde e análise de situações de maior complexidade. O cuidado do paciente crítico no Centro de Estudos de Enfermagem. A eficácia como medida dos cuidados de enfermagem. contribuição do estudante no estudos envolvendo situações a clientes assistidos.

11 – BIBLIOGRAFIA:

LAKATOS, Ana Maria & MARCONI, Marina de Andrade. Fundamentos de Metodologia Científica. São Paulo: Atlas, 1985.
DEMO, Pedro. Introdução à Metodologia da Ciência. São Paulo: Atlas, 1987.
BRANDÃO, Carlos Rodrigues et alli. Repensando a pesquisa participante. São Paulo: Brasiliense, 1984.
SEVERINO, Antonio Joaquim. Metodologia do Trabalho Científico. São Paulo: Cortez & Moraes, 1976.


SR-1
CEG

FORMULÁRIO CEG-03
Disciplina

CENTRO: DE CIÊNCIAS DA SAÚDE
UNIDADE: ESCOLA DE ENFERMAGEM ANNA NERY

Folha n0:
Data: 04/03/1997

1 – NOME

2 – CÓDIGO

3 – IDENTIFICAÇÃO

ÉTICA PROFISSIONAL

ENE214

 

4 – Carga Horária por Período:

5 – CRÉDITOS:

6 – REQUISITOS:

T: 15                    P: 00                         T + P: 15

1,0

 

7 – CARACTERÍSTICAS DAS AULAS PRÁTICAS:

Estudo dirigido, exposição dialogada, dramatização, seminário, análise e reflexão sobre filmes com problemas éticos.

8 – CURSOS PARA OS QUAIS É OFERECIDA:

ENFERMAGEM E OBSTETRÍCIA

9 – OBJETIVOS GERAIS DA DISCIPLINA:

Oferecer aos estudantes a oportunidade de discutir os fundamentos éticos que subsidiam a prática profissional.

10 – EMENTA:

Introdução ao estudo da ética: enfoque, objeto, o campo da conceituação; a ética e sua relação com outras ciências. Ética profissional. Valores. Responsabilidades. Os direitos do cliente. Instâncias sociais e o problema ético. Bioética. Método de análise de um problema ético.

11 – BIBLIOGRAFIA:

BARCHINFONTAINE, C. de P. Bioética e Saúde. São Paulo: SPB São Camilo, 1987.
GERMANO, Raimunda Medeiros. A ética e o ensino de ética na enfermagem do Brasil. São Paulo: Cortez Editora, 1993.
SAUTHIER, Jussara. A Ética no contexto da equipe de saúde. Tese (Livre Docência) EEAP/UNIRIO, 1991.

UFRJ EEAN - Escola de Enfermagem Anna Nery
Desenvolvido por: TIC/UFRJ